A cartografia mítica de Yoknapatawpha

A cartografia mítica de Yoknapatawpha

Ensaio publicado nos Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. X, em 2006.

Resumo: Na pequena cidade de Jefferson, ao sul dos Estados Unidos, William Faulkner descobre o núcleo vital de seus assuntos literários. A partir da criação do “Yoknapatawpha County”, o autor se torna responsável por uma das mais importantes obras artísticas do século XX. Buscando as raízes profundas da formação da sociedade sulista, Faulkner estabelece o diálogo entre a cultura norte-americana e as fontes míticas universais. Num romance como Absalão, Abasalão, de 1936, suas personagens revivem tragédia semelhante ao do Rei Davi e seus filhos. Mas não é apenas por meio dessa migração do universo bíblico para o microcosmo de Yoknapatawpha que se constrói a complexidade do romance de Faulkner. Nesta “cartografia” semioticamente edificada, às influências de Os livros de Samuel vêm se unir o tema de Fausto, a demanda de Lancelote, o mito da criação do mundo. Criação não apenas de uma “geografia intertextual”, mas de uma linguagem que se torna mythos. A hipótese deste trabalho é demonstrar como o “território semiótico” em Faulkner consegue conferir às formações verbais o status de entidades míticas, elevando as palavras ao plano de uma arquipotência.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ensaios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s